FODA COM O PEÃO DE OBRA PARTE 1

Nessa época estava desempregado e precisava de dinheiro. Já tinha parado a faculdade, e estava complicado arrumar trabalho. Um amigo que trabalhava em uma construtora disse que estavam precisando de gente para ajudar nas obras, só que teria que viajar. De imediato aceitei. Fui na construtora já me contratam e me mandaram pra Porto Alegre, para ajudar na construção de um mercado.
Chegando lá, o engenheiro responsável pela obra me levou até a casa onde os peões estavam (é assim que chamam o pessoal que trabalha na construção civil). Era uma casa grande, sem móveis somente com vários colchões espalhados pelo chão.Me levou até onde eu iria ficar. Era próximo ao banheiro. Que situação, dormir no chão, perto do banheiro, com um monte de gente que eu nunca vi. E já dá pra imaginar a situação do lugar... Mas paciência, trabalho é trabalho, e precisava desse dinheiro. Deixei minhas coisas sobre o colchão e já fui tomar meu banho e me deitar, estava cansado da viagem.
O engenheiro disse que eu começaria a trabalhar no dia seguinte, era somente  o procurar na obra.
Deitei e dormi. Acordei com muito barulho e gritos. Era o pessoal chegando. Já foram gritando que tinha gente nova, que eu não ia dar conta... ficaram me zuando. Coisa de homem quando estão juntos. Mas confesso, tinha uns que me chamavam bem a atenção. Antes eu achando ruim de ficar próximo ao banheiro, já estava gostando. A maioria tomava banho de porta aberta e como estava bem de frente via tudo, e fingia que não via.
Mas percebi que ainda faltava chegar mais gente, tinha alguns colchões vazios. Bom, voltei a dormir, depois de jantar com o pessoal.
E mais tarde acordo com um barulho de algo caindo perto de mim. Era um peão (e que peão) que deixou cair suas coisas perto da minha cama, enquanto ia pro banheiro tomar banho. Acordei, e olhei aquele homem, todo sujo, com cara de macho, bruto, forte... Ele nem se preocupou em pedir desculpas, catou tudo e entrou no banheiro, largando a porta aberta. Fingi que estava  dormindo e fiquei olhando. CARALHO. O que era aquilo. Todo sujo, com pernas grossas, braços grossos, peitoral, forte... Macho de verdade, que trabalha, faz força ... bruto. Ele começou a tirar a roupa, tirou os sapatos, as meias, abriu a fivela do cinto, deixando semi aberta a calça, tirou a camisa, deixando amostra todo seu peitoral, liso, mas com certeza não era de depilação, que tesão, já estava ficando excitado, e precisava tomar cuidado para ele não perceber. Por fim tirou a calça, dando pra ter noção do que guardava lá dentro. Se virou dando pra ver aquela bunda ... PERFEITA. Entrou no banho de cueca, (normalmente eles lavam as cuecas no banho) ela não era branca, estava suja de terra, mas quando a água começou a descer por aquele corpo, marcou aquele pau que parecia ser bem grande. Se virando  tirou  a cueca, ficando de costas pra mim enquanto lavava ela. Aaaa que visão, que bunda, que bunda, que corpo, todo liso. Mas o auge foi quando ele ficou de frente pra mim, MEU DEUS, que pau enorme. Ele passava o sabonete pelo corpo, descia pelo pau, pela bunda, se abaixava esfregando os pés. Não aguentei, me virei de lado, comecei a me masturbar. Ele passava a mão pelo corpo, aquilo me deixava louco.
Percebi que estava olhando pra mim, parei de me masturbar. Fiquei ali parado, com medo de um bruta montes daquele perceber e vim tirar satisfação. Mas pra minha surpresa ele começa a bater uma, olhando pra mim. Fiz de conta que não estava vendo nada. O pau dele foi crescendo, crescendo e crescendo... Era IMENSO.
Aquilo estava me deixando perturbado, estava quase indo lá.  Quando ameacei a abrir os olhos, entrou mais um pessoal fazendo barulho. Ele também parou a punheta, desligou o chuveiro, se secou e colocou só uma bermuda, e saiu com suas coisas. Me virei e vi que ele desceu as escadas que davam pra lavanderia e garagem da casa. Me fiz de bobo levantei e fui atrás.
Cheguei lá ele estava pondo a cueca e a toalha no varal. Pra não dar na cara cheguei falando " Porra, esse pessoal chega sempre gritando assim? Não tem quem durma" Ele deu risada e ainda tirou um sarro "E aí magrelo, é novo aqui né? Logo você se acostuma" dei risada e começamos a bater papo, tinha umas cadeiras com mesas ali, que fiquei sabendo que era pro pessoal jogar baralho. Chegou mais gente, com cerveja... Ficamos até tarde batendo papo.

O pessoal começou a ir embora... Ficando só  nós. Não sou de beber muito, e pelo que vi ele também não. Me levantei e fui ao banheiro, quando voltei ele estava  sentando em um uma poltrona do lado da minha cadeira. Sentado de pernas abertas. Dava pra ver aquele volume, caído de lado na bermuda larga. Dei uma olhada disfarçadamente, e sentei onde estava. Continuamos a bater papo, gente boa pra caramba ele. Conversa vai, conversa vem. Comecei a me insinuar pra ele. Queria aquele macho.  Achei que não fosse dar em nada me levantei e falei que ia dormir. Ele me segurou, TRAVEI. Me olhou com cara de safado e disse, "Onde você pensa que vai? Ou acha que não percebi você me olhando e se masturbando enquanto eu tomava banho?" Fiquei surpreso, tenso... Segurou minha cabeça e forço em direção ao seu pau, tirou ele por baixo da bermuda e me fez chupar. Que tesão de pau, caralho. Chupei, com gosto e ele   só ia crescendo dentro da minha boca até encher ela por completo. Ele gemia e me mandava chupar, eu ali de joelhos e aquele macho mandando em mim. Olhava pra ele e ele estava indo ao delírio. Quando percebeu que  ia gozar me levantou  de uma vez e me jogou sobre a poltrona que ele estava, me deixando de quatro, baixou minhas calça e socou o pau sem dó. Quase morri de dor, gemia, gritava e ele só segurando minha boca e socando fundo. Me dava tapas na bunda, e ficava falando que eu merecia era pau no cu. Que sensação, queria mais, comecei a rebolar no pau dele.Ele me travou e foi socando mais forte e mais forte, um macho forte me prendendo me deixando sem movimento. De repente ouço um urro de prazer. Ela estava gozando, gozava alto e gemia, e como gemia gostoso. Enquanto gozava me segurava pelos ombros e socava sem dó, me fazendo ficar louco.  Gozou, vestiu a bermuda, me deu um tapa na bunda e dando risada disse " Não era isso que você queria, viadinho? Agora fica aí com o rabo ardendo" Ele saiu e foi deitar.
Putz, que ódio que eu fiquei. Me sentei, exausto e com a bunda ardendo e prometi  que isso não ia ficar assim. Ele que me aguarde...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ENCONTRO - O PAULISTANO PELUDO ME FODEU

ENCONTRO - O EX TENENTE VOLTOU - FODA DE DESPEDIDA

CONTO ERÓTICO - O HÉTERO MACHÃO ME CHUPOU NA PISCINA